Arquivo mensal: agosto 2014

Receitas Saudáveis (ou nem tanto!) – Brigadeiro Light de Castanha do Pará

Todo mundo tem uma queda por este docinho brasileiro, não é mesmo? No entanto, o brigadeiro tradicional além de ser altamente calórico (uma lata de leite condensado tradicional possui em média 1.200kcal), não possui valor nutricional algum. Então, você me pergunta, devo abolir o brigadeiro da minha vida?

Bem, a palavra que eu mais gosto é equilíbrio. Caso você se limite a comer brigadeiro bem de vez em quando, não vejo necessidade de abolir, mas se você é daqueles que acha impossível comer um só, é melhor tomar cuidado! Eu mesma tenho muita dificuldade em comer um só, eu achava bem mais fácil quando eu tinha menos tempo de cirurgia bariátrica. Uma colher de sobremesa já era muito para mim. Eu achava tudo extremamente doce. Hoje já não é assim mais. Meu paladar está a cada dia se aproximando mais do que era antigamente. Devido a isso, o cuidado deve ser redobrado.

Quando completei 30 anos, fiz um churrasco para os amigos e familiares mais próximos. A festa teve direito a balões, bolo e brigadeiro. Como eu havia completado apenas 1 ano e 1 mês de cirurgia, resolvi fazer uns brigadeiros “light” para a festa. Comecei pelo leite condensado caseiro light, cuja receita segue abaixo:

aniversário brigadeiro light IMG_2704

Leite Condensado Caseiro Light

  • 1 xícara de chá de leite em pó desnatado
  • 1/2 xícara de chá de adoçante forno e fogão (eu usei Tal & Qual)
  • 1/2 xícara de chá de água fervente
  • 1 colher de café de margarina light

Junte todos os ingrediente e bata no liquidificador por 2 minutos. Aguarde esfriar e pronto!

Essa receita aprendi em um grupo do Facebook para pessoas que passaram por cirurgia bariátrica. A partir dela, criei meu brigadeiro. No meu aniversário a receita ficou diferente da que foi feita hoje. Tenho certeza que a diferença se deve à marca do chocolate em pó usado na receita. Infelizmente eu não me lembro a marca que usei naquele dia, pois achei que o brigadeiro do meu aniversário ficou com muito mais sabor de brigadeiro do que este que fiz hoje, no entanto, o doce de hoje também ficou delicioso:

Brigadeiro Light de Castanha do Pará

  • 1 receita de leite condensado light
  • 2 colheres de sopa de chocolate em pó solúvel 50% cacau
  • 1 colher de sobremesa de margarina light
  • 4 castanhas do Pará raladas

Coloque todos os ingredientes em uma panela em fogo baixo e mexa até obter uma consistência próxima à do brigadeiro. A consistência não será a mesma do brigadeiro tradicional. Na receita de hoje eu usei um fouet para mexer o brigadeiro, pois tinha visto em algum lugar da internet que ficava mais gostoso. Bom, como não se trata de um brigadeiro tradicional, não sei dizer se realmente tem diferença.

fouet-silicone-madeira-miniamo-1619032034201_zoom
Fouet

Não é bem uma receita saudável, mas bem mais baixa em valor calórico. Uma receita do leite condensado light tem em média 400kcal, contra as 1.200kcal do leite condensado tradicional. Já é um bom começo, né?

E aí? Vamos adoçar este domingo?

Kangoo Jumps – Poupando as Articulações

A atividade física é importante para todas as pessoas, não apenas para as que querem emagrecer. No entanto, a maioria detesta e não dá nenhuma chance. Dentre tantas modalidades, será que não existe nenhuma que você goste ou possa praticar mesmo?

 
Uma querida amiga minha era adepta da corrida e acabou lesionando o joelho. Por algum tempo ela deixou a atividade física de lado por este motivo e acabou ganhando peso. Recentemente, ela aderiu a uma nova modalidade e me convidou para conhecer: o Kangoo Jumps.
 
Esta é uma atividade física cardiovascular e promove uma rápida queima de gordura. O legal da atividade é que reduz em 87% o impacto das articulações com o solo, ou seja, ideal para quem não pode sobrecarregar as articulações. 
 
Quando eu ainda não havia emagrecido o suficiente, eu evitava qualquer atividade que pudesse causar impacto nas minhas articulações, pois eu ainda tinha os joelhos saudáveis mesmo com todo aquele peso. Por qual motivo eu iria arriscar arrumar mais um problema de saúde, não é mesmo? Naquela época, as únicas atividades físicas que eu conhecia que reduziam o impacto eram as aquáticas, e isso não foi um problema para mim, sempre gostei de água. No entanto, conheço muitas pessoas que evitam estas atividades, seja porque são vaidosas e não querem danificar pele e cabelos com o cloro da água ou por simplesmente não se adaptarem a elas mesmo. Eu mesma sofri com isso, abandonei as madeixas vermelhas pois se tornou extremamente inviável mantê-las, frequentando as piscinas tantas vezes durante a semana. 
 
Semana passada fui conferir a novidade. Estávamos na turma meu marido, minha amiga, uma aluna novata e eu. O horário da aula era das 18:50 às 19:20. Levamos uns 10 minutos para calçar as botas e acostumarmos a nos equilibrar nelas. Tentei fazer um vídeo do meu marido tentando se equilibrar, mas “barbeirei” e acabei não conseguindo registrar, rsrs. A aula consiste em coreografias aeróbicas das músicas conhecidas. Antes de entrarmos para a parte das coreografias, fizemos uma corrida pelo salão. Essa parte foi bastante divertida!
 
Confesso que não botei muita fé. Pensei que 30 minutos seria pouco tempo demais, ainda mais que demoramos tanto pra nos preparar, pensei: “20 minutos não vai dar nem pro início!”. Ah, como eu estava enganada! Nos primeiros 5 minutos, meu marido, a moça novata e eu já estávamos pedindo arrego. Só minha amiga e o professor que não perdiam a classe! Era um tal de “beber água” toda hora, uma “sentadinha de leve” de vez em quando e o professor lá: “esquerda, marcha, marcha, marcha… Frevo! Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito e direita! Um, dois, três… Ufa!! Acho que os três novatos da turma estavam num misto de sentimentos de vergonha de sentar e falta completa de fôlego que, quando um sentava, os outros dois seguiam. Quando o outro levantava pra tentar continuar a aula, o resto seguia. Finalmente, o professor grita: “Tempo! Água! Que alívio! Vamos ver quanto tempo se passou? 7 minutos. Peraí, SETE!?! E eu morta assim?
 
Frevo, frevo, frevo...
Frevo, frevo, frevo…
Mortaaaaaa!!! "Sentadinha de leve", rsrsrs
Mortaaaaaa!!! “Sentadinha de leve”, rsrsrs
 
Veja bem, não se trata de pessoas sedentárias, meu marido e eu somos ativos há quase dois anos, com muito orgulho! Minha amiga, que começou esta atividade há um mês e também não era sedentária, disse que sofreu o mesmo no início, mas agora ela está ahhazando, com dois agás e zê mesmo!
 
Que tal experimentar esta novidade também? Para saber mais, consulte o site: http://www.esportemulher.com.br/dicas-de-saude/kangoo-jumps
 
A amiga e o professor ativíssimos e eu posando pra foto!
A amiga e o professor ativíssimos e eu posando pra foto!

Receitas saudáveis – Bolo de Banana Sem Açúcar e Sem Farinha

Mudança de hábitos alimentares não deve ser sinônimo de não ter mais prazer com os alimentos. Além de se permitir de vez em quando comer aquele alimento vazio em valor nutricional, existem alimentos nutritivos e deliciosos que podem ser preparados por você mesmo!

Por este motivo que decidi começar a publicar algumas receitas que já testei e ficaram deliciosas. Abaixo, segue a receita original, logo mais contarei as incrementadas que foram feitas:

Bolo de Banana Nanica Sem Farinha e Sem Açúcar

– 2 bananas nanicas ( devem estar beeem maduras, quase estragando);
– 1/2 xícara de chá de uvas passas pretas;
– 2 ovos pequenos;
– 1/4 xícara de chá de óleo;
– 1 xícara de chá de aveia em flocos;
– 1 colher (sopa) de fermento em pó.

Bata tudo no liquidificador deixando o fermento por último, coloque a massa (que é bem densa) em uma forma para pudim untada com margarina light e leve ao forno médio preaquecido. O tempo no forno deve ser de aproximadamente 25 minutos.

Agora vamos às incrementadas:

A primeira seria usar 4 bananas, duas delas picar em rodelas e colocar cobrindo o fundo da forma de pudim, antes de colocar a massa. Ao tirar do forno, com o bolo ainda quente, polvilhar sobre o bolo adoçante forno e fogão com canela à gosto. O bolo que ilustra este post foi feito assim.

Na massa: você pode trocar a aveia em flocos pela farinha de aveia. O bolo vai ficar com uma aparência mais semelhante ao bolo comum, mas um pouco mais calórico. Observe a tabela nutricional dos dois ingredientes e veja se é interessante para você fazer esta troca. Acrescentar algumas castanhas na massa pode deixar o bolo ainda mais gostoso e mais nutritivo. Use sua criatividade!

Ensinei esta receita de bolo para uma amiga dona de um restaurante aqui de Goiânia, ela fez algumas alterações bem legais na receita e incorporou no cardápio. O bolo faz bastante sucesso por lá!

Que tal começar sua mudança de hábitos por este bolo?

Esta é a "cuca de banana zero", o nome que minha amiga dona do restaurante deu para minha receita, após algumas modificações.
Esta é a “cuca de banana zero”, o nome que minha amiga dona do restaurante deu para minha receita, após algumas modificações.

receita bolo de banana

Como as pessoas que cercam os obesos mórbidos podem ajudar no controle da obesidade?

Sinto-me abençoada. Tive, e tenho, um apoio por parte de amigos e familiares que muitos de nós não tem. Em todos os aspectos possíveis,  fui ajudada pelas pessoas mais próximas. Seja pela minha mãe cuidando de mim no pós-operatório, preparando os sucos e caldos com todo carinho do mundo e uma preocupação enorme em preservar a qualidade dos alimentos em sabor e nutrientes, ou pelo meu pai que por muito tempo foi contra a cirurgia, mas no dia em que tive medo e titubeei, soube falar as palavras que eu precisava ouvir para ter coragem e seguir adiante com meu sonho. Meu marido, meu grande companheiro, no sentido mais estrito da palavra, me incentivou o tempo todo, aderiu aos hábitos de alimentação saudável comigo e atividade física regular. E por último, não menos importante, meus amigos, que acreditaram que eu seria capaz, e que me cercaram de carinho e atenção quando eu mais precisei nos momentos de recuperação da cirurgia. 

 
Isso tudo é muito lindo, mas nem sempre foi assim. Quando decidi fazer essa cirurgia, meus familiares foram contra e meus amigos não abriram em sorrisos e aplausos quando anunciei a mudança drástica que pretendia fazer em minha vida. Temiam pela minha vida e saúde e talvez até duvidavam que eu fosse capaz. Como esse cenário se transformou?
 
Vejo muitas pessoas reclamando dessa ou daquela pessoa, acreditando que dependa apenas do outro para que a mudança ocorra. Um pai que prende demais a filha, um marido que passa mais o tempo livre no computador do que com a esposa ou uma mãe que é contra a cirurgia bariátrica. Como essas pessoas podem mudar suas realidades?
 
No início eu não pensei muito nisso. Fiquei triste em não ter o apoio deles, mas dei continuidade aos preparativos. Vamos falar sobre esses preparativos em outra oportunidade, que são muitos, mas quando levados a sério, contribuem profundamente para o envolvimento do paciente — que foi o que aconteceu comigo. Gradativamente, ao observarem o meu comprometimento, as pessoas foram me apoiando. Alguns precisaram de mais tempo, outros de menos, mas no fim, todos me apoiaram. 
 
O que VOCÊ pode fazer para ter o apoio que tanto deseja? O quão comprometido você está com essa mudança de vida? As pessoas ao seu redor enxergam alguém determinado a adquirir novos hábitos alimentares ou alguém que ainda não está pronto para a mudança?
 
Nem sempre estive comprometida, nem sempre fiz com que acreditassem em mim, mas a mudança começou pela minha cabeça. Comece você também a sua!
 
Papai, mamãe eu e meu marido.
Papai, mamãe, eu e meu marido comemorando o aniversário do meu pai em Petropólis – RJ, em abril de 2014.

Os eventos sociais e a dieta pós-bariátrica

Ando meio desleixada com meu plano alimentar. Como amanhã é dia de nutricionista, resolvi dar uma guinada e voltar a seguir direitinho. Eu andava deixando de levar meus lanchinhos saudáveis pra comprar umas quitandas cujo sabor não compensa o valor calórico próximo ao meu local de trabalho. Sabotagem total, né? Hoje não! Vim para o trabalho com uma sacolinha com duas frutas, uma barra de castanhas e um iogurte. Arrasando, né? Então… Não é que a recepcionista está fazendo aniversário hoje e tinha um bolo de coco me seduzindo? Como lidar com essas situações?

 
Em se tratando da dieta pós-cirúrgica, a mente deve estar bem preparada para essas situações. Os primeiros seis meses após a cirurgia são determinantes em vários aspectos. Primeiro que é a época em que se perde mais peso. Porque ingerir alimentos calóricos nessa fase? Deve-se tirar o maior proveito possível dessa condição. Outro motivo é o fato de o novo estômago ainda estar cicatrizando, tornando-se perigoso fazer a ingestão de certos alimentos. E aí? A solução é não participar de qualquer evento social que envolva comida durante seis meses?
 
Vou mudar de pergunta: depois que passar esse período de dieta extremamente restrita, você vai voltar a comer da mesma maneira que comia antes? As tentações estão aí a todo momento, desde a festinha da recepcionista no seu local de trabalho até aquela amiga que compra uma caixa de bombons pensando apenas em lhe agradar. Devemos aprender a conviver com essas tentações.
 
Quando completei 15 dias de operada, a empresa na qual trabalhava promoveu uma grande festa de final de ano. Aos 15 dias, a dieta ainda é totalmente líquida, com restrições de frutas ácidas e alimentos industrializados. Eu gostava muito da empresa e dos meus colegas e não queria perder a oportunidade de confraternizar com eles. O que eu fiz? Eu fui!!
 
Com 15 dias após a cirurgia bariátrica, na festa de natal da empresa. Comportadíssima! rsrsrs
Com 15 dias após a cirurgia bariátrica, na festa de natal da empresa. Comportadíssima! rsrsrs
 
Nada do que estava sendo servido estava permitido na minha dieta, a não ser água. A dieta ainda era de 15 em 15 minutos. Coloquei meu celular para despertar a cada 15 minutos e tomei água cada vez que ele despertava. O certo mesmo teria sido levar uma lancheirinha com sucos naturais de frutas, erro meu! No entanto, no limite do meu corpo, permaneci sentadinha conversando com meus colegas e tomando água. Socializei e não coloquei em risco a minha saúde.
 
Aos 31 dias de cirurgia eu fiz 29 anos. A dieta ainda era pastosa. Chamei apenas os amigos mais íntimos e os levei a um restaurante. Comprei um bolo, cantamos parabéns, servi a todos um pedaço de bolo e, enquanto todos se deliciavam com as gordices, tomei suco sem açúcar. Sempre achei o dia do meu aniversário uma data especial, não poderia deixar passar em branco, né?
 
Antes da comemoração com os amigos em um restaurante, recebi uma festa de aniversário surpresa em casa!!
Antes da comemoração com os amigos em um restaurante, recebi uma festa de aniversário surpresa em casa!!
 
Por muito tempo segui fazendo assim, afinal, a estatística não estava do meu lado. Acredita-se que a perda de peso com o método utilizado em mim, o bypass gástrico, seja de 40% a 50% do peso e que o emagrecimento permaneça entre 1 e 2 anos. Como eu pesava 151kg, na teoria, eu deveria pesar entre 90kg e 75kg. Quando operei, queria ficar pesando 70kg, então eu teria que fazer um esforço maior para ganhar da estatística, né? Quando com 1 ano de cirurgia eu já pesava os 70kg que queria, comecei a me permitir mais. Veja bem: apenas depois de chegar ao meu objetivo.
 
Hoje peso menos que 70kg e tenho um percentual de gordura corporal dentro do esperado de acordo com a minha idade e gênero, mesmo tendo excesso de pele que acaba por mascarar a bioimpedância com prejuízo pra mim.
 
A caminhada para esse sucesso foi árdua, me privando de muitas coisas que gostava de comer, mas hoje que já atingi meu objetivo não me privo mais, apenas compenso o excesso de calorias de um alimento reduzindo o consumo em uma outra refeição, preferencialmente no mesmo dia. Quando disse que ando desleixada na abertura desse texto, foi no sentido de não me preocupar muito com qualidade dos alimentos, me permitindo demais e deixando de comer os alimentos nutritivos. 
 
A palavra do dia de hoje foi RECOMEÇO. O que eu fiz então? Comi ou não o bolo de coco?
 
Comi. Um pedacinho bem pequeno. E comi parte do meu lanche nutritivo também. Numa próxima refeição cortarei mais algum alimento pra compensar. Posso fazer isso porque estou na manutenção, no período de perda eu raramente fazia isso, especialmente durante a semana. O que devemos evitar é que estas escapadas se tornem um hábito, como o que eu havia feito em relação aos lanchinhos da padaria.
 
Compartilhe suas experiências!

Cirurgia Bariátrica: queda de cabelo no pós-operatório

Se há algo que mexe com a nossa vaidade, em especial das mulheres, é o cabelo, né? Sempre que queremos nos sentir melhores, vamos ao salão de beleza e logo fazemos um corte diferente, mudamos a cor, alisamos ou enrolamos as madeixas. E como fica a saúde dos nossos cabelos depois da cirurgia bariátrica?

 
Primeiramente existe um momento crítico. Por volta de 3 a 4 meses de pós-operatório ocorre uma queda massiva. Unem-se os efeitos da anestesia ao corte dramático na ingestão de calorias diárias e à baixa absorção que alguns métodos de cirurgia bariátrica ocasionam e é infalível: queda de cabelo na certa.
 
Comigo não foi diferente. Meus cabelos caíram demais nessa época. O dia que mais me desesperei foi quando fui ao salão de beleza escovar meus cabelos e eles caíram tanto com a escovação que a pessoa que cuidava da limpeza do salão pensou que eu havia feito um corte.
 
Fui à dermatologista que indicou um tratamento. O difícil dessa situação é que os tratamentos contra queda de cabelo demoram meses para fazer efeito e nós, ansiosas, queremos que a queda pare na hora.
 
O que fazer, então?
 
Pessoalmente, acredito que devemos cuidar da saúde capilar antes mesmo da cirurgia. Isso não impedirá que a queda ocorra, mas pode amenizar o efeito. Hábitos que costumamos ter como a escovação excessiva e o uso de químicas fortes nos cabelos também causam queda. É interessante dar o mínimo de motivos para nossos queridos cabelinhos fujam das nossas cabeças, né?
 
Costumo ouvir muito que não tenho cabelo de quem fez cirurgia bariátrica, isso porque meus cabelos são bem saudáveis. Atribuo isso ao fato de não estar fazendo uso de qualquer química, mas estou sempre atenta! A anemia por deficiência em ferro e vitamina B12 é bem comum nos gastroplastizados e a queda de cabelo os acompanha bem de perto. Manter os exames de sangue atualizados pode salvar seus cabelos!
 
E você? Como estão os SEUS cabelos?
 
90 dias após a cirurgia. Já dava pra ver na região da frente da minha cabeça a falha ocasionada pela queda de cabelo.
90 dias após a cirurgia. Já dava pra ver na região da frente da minha cabeça a falha ocasionada pela queda de cabelo.
Com 1 ano e 8 meses de operada, os cabelinhos novos nascendo.
Com 1 ano e 8 meses de operada, os cabelinhos novos nascendo.

Você se engana?

você se engana

Nessa caminhada do emagrecimento tive contato com diversas pessoas na minha situação — OBESIDADE MÓRBIDA. Por diversas vezes ouvi dessas pessoas que elas não comiam quase nada e não gostavam de doces e frituras. Será que isso é possível? Chegar à obesidade grau II ou III comendo pouco e sem abusar de doces e frituras?
Ganho e perda de gordura têm uma fórmula muito simples: consumo de calorias > gasto de calorias = aumento da massa gorda. É verdade que alguns organismos têm dificuldade na queima de calorias, mas a fórmula continua sendo a mesma. Você que diz comer pouco, já fez um balanço da quantidade e, melhor ainda, da qualidade das calorias que ingere?
Muitas vezes o prato do almoço ou jantar não é tão cheio mesmo, mas e como andam os beliscos?
Por muitos anos eu me enganei. Bastante. Depois assumi, mas de nada adiantou. Assumi que comia muito e ainda assim, continuava comendo. De qualquer maneira, foi o primeiro passo.
E quanto a vocês? Também se enganam ou se enganaram por algum tempo? Compartilhe sua experiência!

A Cirurgia Bariátrica e as Roupas

renovando o guarda roupa

As roupas sempre foram um assunto delicado para nós obesos, não é mesmo? Encontrar roupas que sirvam e sejam bonitas é um desafio. Quando moramos em uma cidade maior, onde existem lojas de roupas de tamanhos especiais, essa tarefa se torna mais fácil, mas esbarramos em outros problemas como valor elevado das roupas e o caimento.

Sempre fui muito vaidosa, mesmo quando obesa. A silhueta não ajudava, mas eu me munia de todas as armas para me sentir mais bonita. Com a cirurgia bariátrica e a rápida perda de peso, acabei “perdendo” muitas roupas rapidamente.

A “troca de guarda-roupa” é algo com o qual você pode contar! É inevitável fazer isso, e várias vezes. A empolgação é muito grande quando vamos saindo das lojas de tamanhos especiais para o “GG” das lojas “normais”. E isso nos faz querer comprar cada vez mais.

Eu havia guardado algumas roupas que gostava de outras fases de peso que passei. Ajudou um pouco nesse aspecto. Cada vez que minhas roupas iam ficando largas, eu recorria ao meu acervo de roupas antigas e acabava achando algo que me servisse.

Toda trabalhada no vestido mega antigo que eu amava e pude voltar a usar.
Toda trabalhada no vestido mega antigo que eu amava e pude voltar a usar.

Por algum tempo, isso e a reforma das roupas que já usava me bastou, mas chega um momento que a autoestima eleva bastante e queremos nos sentir mais bonitas, na moda. Aquelas roupas de obesa não são mais o nosso estilo. Nem sabemos mais qual é o nosso estilo e começamos a nos redescobrir.

Aí é que a coisa pega. Queremos ser sexy, sensuais. Ainda estamos muito acima do peso desejado e queremos usar roupas que mostrem o quanto emagrecemos. Aí é que acabamos cometendo gafes fashion!

Hoje, com o peso estabilizado, já refiz o meu guarda-roupa completo. Porém, enquanto ainda estava na fase de emagrecimento, evitei comprar muitas peças, pois elas são perdidas muito rapidamente. Se você está neste período, procure comprar peças mais neutras que possam ser usadas com várias combinações. A tentação de se jogar nos novos modelos é muito grande, mas contenha-se!

Qual a sua relação com as roupas? Compartilhe!

 

Desmitificando a Bariátrica – Se eu fizer a cirurgia bariátrica, terei que tomar remédios pro resto da vida?

remédios pro resto da vida?

Existem vários tipos de cirurgia bariátrica. Alguns deles, como ao qual me submeti, envolvem desvio e/ou encurtamento do intestino. Devido a isso, diminui-se a absorção dos nutrientes via oral. Traduzindo: você pode até se alimentar direitinho, dar ao seu corpo todos os nutrientes necessários de acordo com idade e gênero que ele não será devidamente nutrido. Será necessário complementar através do uso de complexos vitamínicos.

Além disso, de tempos em tempos, precisamos suplementar ferro pela veia e vitamina B12 através de uma injeção.

Muitos de nós acabam não tomando esse cuidado diário, o que pode levar a problemas mais sérios.

Tomar vitaminas pro resto da vida é o mesmo que tomar remédio pro resto da vida?

O que é melhor pra você, a Denise da direita ou da esquerda. PARA MIM não resta dúvida. E para você?